VIA NORTE

make action GIFs like this at MakeaGif

AGORA AS NOTÍCIAS ESTÃO EM NOVO ENDEREÇO

AGORA AS NOTÍCIAS ESTÃO EM NOVO ENDEREÇO
CLIQUE NA IMAGEM E ACESSE

Gleisi: “Quando se julga com base na lei a verdade sempre vence”

Em artigo, senadora e presidenta do PT comenta a decisão do STF que a inocentou de uma denúncia baseada em delações premiadas: "Ao longo desses quase quatro anos, meu nome deixou de ser Gleisi Helena Hoffmann. Passei a ser chamada de Gleisi Hoffmann investigada na Lava Jato,. Alguém escreverá agora Gleisi inocente?"

A presidenta do Partido dos Trabalhadores e senadora pelo estado do Paraná, Gleisi Hoffmann, se pronunciou publicamente nesta quarta-feira (20), através de um artigo, sobre a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que a inocentou, por unanimidade, de uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que a acusava de lavagem de dinheiro e corrupção passiva no âmbito da operação Lava Jato.

No artigo, Gleisi destacou que essa pode ser a primeira vez que o STF se pronunciou contra a indústria das delações premiadas, já que sua denúncia era baseada apenas em depoimentos contraditórios sem que fosse apresentada qualquer prova concreta. “Dos cinco votos proferidos restou claro que ninguém, nenhum cidadão ou cidadã, pode ser condenado apenas com base em depoimentos (negociados sabe-se lá a que preço) que não sejam acompanhados de provas. Dessa forma, o direito prevaleceu sobre o arbítrio, a verdade sobre a mentira, quando íamos nos habituando ao contrário”, escreveu.

A senadora chamou a atenção ainda para a forma como foi tratada pela mídia ao longo desses últimos quatro anos, desde que foi aberto o inquérito.”Ao longo desses quase quatro anos, meu nome deixou de ser Gleisi Helena Hoffmann. Passei a ser chamada de Gleisi Hoffmann, investigada na Lava Jato, Gleisi acusada, Gleisi indiciada, Gleisi denunciada, Gleisi ré. Alguém escreverá agora Gleisi inocente?”.

Confira a íntegra.

O julgamento de ontem na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal foi de enorme relevância para o restabelecimento do estado de direito no Brasil. Fui julgada e absolvida, por unanimidade, das falsas acusações que me imputaram. Mas foi principalmente um avanço em direção à normalidade democrática, frente à maquina de perseguição e arbítrio instalada desde 2014 na Vara Federal da Lava Jato.

Creio que pela primeira vez, diante de um caso concreto, o STF se pronunciou colegiadamente contra a indústria das delações premiadas e contra os abusos do Ministério Público da Lava Jato. A denúncia ruiu perante os juízes porque não trazia prova de nada, apenas delações negociadas com presos condenados, em troca de perdão de seus crimes.

No meu caso e do meu marido, Paulo Bernardo, eram delações contraditórias, que foram sendo modificadas no curso do processo para compor a narrativa perseguida pelos promotores. O julgamento expôs as sucessivas violações praticadas em Curitiba, e endossadas pela PGR, que não poderiam ser aceitas à luz da lei e da justiça.

Dos cinco votos proferidos restou claro que ninguém, nenhum cidadão ou cidadã, pode ser condenado apenas com base em depoimentos (negociados sabe-se lá a que preço) que não sejam acompanhados de provas. Dessa forma, o direito prevaleceu sobre o arbítrio, a verdade sobre a mentira, quando íamos nos habituando ao contrário.

Durante quase quatro anos, desde outubro de 2014, a TV Globo e os grandes jornais repetiram sistematicamente que eu era acusada de corrupção e lavagem de dinheiro, repetiram o enredo forjado pela Lava Jato. E nunca, até a véspera do julgamento, nunca informaram os argumentos concretos da minha defesa. Nem uma só palavra.

É o mesmo método autoritário de julgamento midiático, de acobertamento da injustiça, que levou à prisão ilegal e arbitrária do maior líder político e popular do Brasil, o ex-presidente Lula. É o método que levou ao golpe do impeachment da presidenta Dilma Rousseff em 2016.

Ao longo desses quase quatro anos, meu nome deixou de ser Gleisi Helena Hoffmann. Passei a ser chamada de Gleisi Hoffmann, investigada na Lava Jato, Gleisi acusada, Gleisi indiciada, Gleisi denunciada, Gleisi ré. Alguém escreverá agora Gleisi inocente?

Já disse que nada vai apagar o sofrimento causado a mim, a minha família, meus amigos e companheiros de luta. Nada vai reparar o dano causado a minha imagem pessoal e política. Mas a decisão de ontem me anima a continuar acreditando que, quando se julga com base no direito, na lei e nos autos, a verdade sempre vence.

Agradeço a todos os que foram solidários ao longo desse processo: a imprensa independente, os juristas que se pronunciaram em artigos, líderes políticos de vários partidos e principalmente a militância do PT, que sempre me deu energias para seguir lutando de cabeça erguida.

Há outras batalhas pela frente e vamos enfrentá-las, confiando que o Brasil vai retomar o estado de direito na plenitude. E vai retomar o caminho da democracia para acabar com o sofrimento do povo.

Gleisi Hoffmann, senadora e presidenta nacional do PT
Gleisi: “Quando se julga com base na lei a verdade sempre vence” Gleisi: “Quando se julga com base na lei a verdade sempre vence” Reviewed by soudaquimanga on 18:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.